AS MUITAS DROGAS QUE CONSUMIMOS

um texto de Antonio Brás Constante

Existem inúmeros tipos de drogas disponíveis ao nosso redor. Vou citar alguns como exemplo: temos a droga da segurança, a droga da educação, a droga da saúde, entre outras tantas. A imensa maioria dessas drogas tem o mesmo princípio ativo denominado “corrupção”. Estas drogas são produzidas através de uma espécie de pó, conhecido como “pó-litica” (que realmente se escreve com “Ó” de “tenha DÓ”).

O problema é mais grave nas áreas mais pobres da população, que enfrentam sobre tudo o problema do fumo. As queixas mais comuns são: “fumo assaltado”, “fumo despejado”, “fumo demitido”, etc.
A aparente incompetência de muitas das áreas dos poderes constituídos (do municipal ao federal) é tanta, que poderíamos pressupor que se a população fosse um corpo com um ferimento na cabeça, eles provavelmente estariam aplicando um torniquete bem apertado no pescoço da vítima para aplacar o sangramento.

Podemos iniciar falando da droga da violência, que deixa o usuário sem defesas que possam protege-lo da epidemia de brutalidades que andam soltas por aí. Um dos sintomas que acomete os enfermos desse mal é a paranóia, pois eles acreditam que vão ser assaltados, agredidos, ou mesmo mortos a qualquer instante, e infelizmente estão totalmente corretos em pensar assim.

Outra droga muito poderosa é a droga da educação. Que está droga em todos os sentidos. Faltam professores, faltam vagas, falta estrutura. O que não falta é gente desviando verbas. O resultado vem em forma de atraso no desenvolvimento cultural e social da nação. Como sintomas, podemos perceber uma grande preferência das vítimas por programas televisivos, tais como: BBB, domingão legal do fulano de tal, etc. Menos estudo empobrece a matriz de conhecimento de grande parte da população, deixando-a totalmente a mercê de um amontoado de informações inúteis recebidas através de novelas, futebol e programas deploráveis de auditório. Tornando-as presas fáceis de inescrupulosos políticos que somente se interessam pelos seus votos.

Quanto à droga da saúde, pode-se notar que ela tem causado epidemias por compras de ambulâncias, contribuindo para proliferação de parasitas, ratos e gatunos no cenário político nacional. Um outro problema é a droga dos investimentos no meio ambiente, que sofrem de anorexia e anemia financeira, deixando a fiscalização apática e descuidada, favorecendo a poluição de rios, desmatamentos, contaminação do gado com aftosa, entre outros
sintomas.

Enfim, vivemos em meio a um universo de drogas, criadas em parte pela própria sociedade que colaborou (e muito), para que nosso país, estado e/ou município chegassem a esta situação catastrófica. Resta-nos apenas tentar não sucumbir a tudo isto, permanecendo firmes como um foco de solução. Procurando servir de exemplo e demonstrando que possuímos um ingrediente dentro de nós, cada vez mais raro e necessário para revertermos este quadro, chamado de HONESTIDADE.

Mais textos do excelente escritor podem ser lidos aqui.

7 comentários:

Stella disse...

precisamos urgente de um antídoto para todas essas drogas

José Alberto Mostardinha disse...

Olá Saramar:

Sem dúvida que, pelo que me tem sido dado a conhecer, HONESTIDADE seria, neste momento, o maior "poço de petróleo" com que o Brasil poderia ser abençoado.

Mas estou convicto que será mais fácil achar mesmo mais petróleo do que isso acontecer.
E o grave é que esse petróleo vai alimentar a "máquina" da corrupção e não fomentar a honestidade.

Bom fim de semana.
Um beijo,

O Sibarita disse...

Olá Saramar! Tá 10 esse texto e não há o que comentar ele por si só fala!

E o São João?

bjs
O Sibarita

Vera disse...

Olá amiga Saramar! Excelente texto, mas o mais importante era conseguir mostrar que quem votou errado também é culpado pela atual situação. É para esses que eu digo "Relaxa e goza, bem feito!" rsrs. :) Bjs!

pianomanga disse...

Oi Saramar, boa noite.
Este texto nos deixa sem palavras
para qualquer comentario pois voce foi muito limpida em tudo que disse
o problema todo esta na incultura
Que acompanha o Brasil desde que ele foi achado. Basta ver que os brasileiros da epoca se trocavam
por espelhinhos, fugiam de maquinas
fotograficas e acreditavam que caramuru iria incendiar os rios.
E realmente lamentavel.Forte abraço
e continue romantica, pelo menos isso.

CAntonio disse...

Saramar,

Um achado esse texto. Fumopassadosparatrás. Supimpa.

SDS.

ielpo disse...

Fantástico este texto. Pena que o antídoto seja impossível de se produzir em escala, enquanto que as fábricas das "drogas" se multiplicam a cada dia...

Abraço