A MORTE DO MENSAGEIRO

Em séculos idos a política tinha outra natureza, os métodos eram diferentes e os resultados mais violentos e sangrentos. Pelo que os reis tinham como hábito mandar matar os mensageiros das más notícias, sendo que a finalidade não era eliminar a notícia, que subsistia, mas eliminar o veículo porque assim o rei tinha o pretexto perfeito de que aquela má notícia não havia sido entregue ao rei, e, portanto, dela também não tinha tido devido conhecimento.
(Rui Matos)

O costume de todas as tiranias é matar o mensageiro de más notícias.

Aqui, não poderia ser diferente. Que o diga Francenildo, o Caseiro, depois de ter levado a mensagem da qual era portador e conhecedor: foi violentado em seus direitos de cidadão, enquanto aquele que era o tema de sua mensagem e foi o instrumento de sua morte em vida, retornou "nos braços do povo" e é incensado por seus iguais.

O mensageiro da vez é a Polícia Federal. E ela que se cuide porque são muitos e poderosos seus carrascos. Até José Dirceu integra o grupo executor. E quando ele fala, diz coisas como: "existe um sentimento generalizado contra as prisões arbitrárias...". (Generalizado só se for entre os incriminados, porque o povo está adorando ver os prováveis corruptos presos, nem que seja por um ou dois dias).

A PF que, até poucos dias, era a menina dos olhos do governo (?) lulo-petista, um exemplo de como esses tempos são outros onde não há contemplação com os poderosos, pode ter acreditado que o discurso governista era verdadeiro. Entretanto, avançou determinados limites e ousou pisar no terreno sagrado dos "intocáveis": políticos, autoridades (?) e empresários poderosos que, como é do conhecimento até do Ataulfo, meu poodle, estendem suas garras vampirescas sobre o erário.

O resultado pode ser observado na mídia desde o início da semana: indignação e revolta dos pais da pátria, diante dos "abusos" cometidos pela antes, impoluta polícia. Os ataques vão se tornando mais graves à medida que as investigações, diga-se en passant, autorizadas pela justiça, vão revelando poderosos deuses envolvidos com crimes comuns, muito comuns.

Tão comuns que basta lembrar que o ex-governador do Maranhão, cujas relações com a tal Gautama foram reveladas pela PF, esteve há muitos anos, também envolvido em outro escândalo semelhante, o da Ferrovia Norte-Sul. Portanto, são condutas comuns que a impunidade trata de reforçar.

Mas nós os cidadãos não precisamos nos preocupar. A culpa dessa mais nova (nova??) vergonha não é das autoridades envolvidas. É da Polícia Federal. E esta sim, deverá sofrer as punições devidas.

4 comentários:

alexandre, the great disse...

É, Saramar. Talvez, e apenas talvez, por conta disso o governo(?) tenha cedido à "pressão" e concedido um aumento de 30% à PF.

Podem ser fatos desconexos, mas os fatos, como se apresentam, nos permitem tais ilações (adoro esta palavra...).


Alexandre, The Great

junior disse...

Saramar... Saramar...
Uma pessoa autora de textos tão inteligentes se iludindo assim...
Saramar, a policia federal está agindo por interesses próprios e de outros, a Dilma Russef passou 2 finais de semana inteiros articulando para derrubar o ministro, não existe quase nada de investigativo Saramar, as investigações servem somente pra confirmar dados dos dossies que à PF foram entregues por grupos políticos. Quanto ao povo, este nem entende o que tá acontecendo e não tá nem aí. Sabe porque o povo não tá nem aí e você tá toda preocupada e indignada? Porque o povo já aprendeu uma coisa que você ainda não aprendeu, o povo aprendeu que a pizza ao final, é certa.
Sorry Saramar...
Beijos e bom final de semana

o alquimista disse...

Os teus pés são navegantes na espuma, o teu cabelo dança em descuidada ironia, suave viagem de ondulante onda em tua boca, duas sílabas sopradas em mágica melodia...


Bom fim de semana


Doce beijo

Marcos disse...

Se eu tivesse lido esse post antes, não teria feito o mesmo comentário que fiz no daí de cima.