"NÃO TEMOS CULPA"

Foto: Agência Estado

“Saímos varrendo todo mundo.” (Felippe de Macedo Nery Neto, 20 anos, um dos agressores)

"“Não queremos que eles dividam celas com bandidos perigosos na Polinter. Eles cometeram erro? Cometeram. Mas não vai ser justo manter presas crianças que estão na faculdade, estão estudando, trabalham.”
(Ludovico Ramalho, pai de Rubens, um dos agressores)

"“Nós pais não temos culpa disso”. (pai de um dos agressores).

"“Vamos ver se isso vai ficar assim, minha família não é qualquer uma”. (Felippe de Macedo Nery Neto)

Francamente não sei o que pior: se a barbaridade cometida por esses monstros contra aquela moça e mais duas outras, ou se as declarações deles e seus pais, em especial a de um dos pais: " não somos culpados... já pedi desculpas à empregada... acho injusto deixar uma CRIANÇA, universitário, na prisão por causa disso".

"Somos" culpados sim, caro senhor. Tão culpados que sua infeliz declaração demonstra o quanto de culpa tem no ataque covarde de seu filho e outros iguais a ele a mulheres indefesas que "julgavam ser uma prostituta". Tanto quanto você, seu filho e os amigos demonstraram o quanto são arrogantes, infelizes ignorantes, insignificantes indivíduos, vergonhosos habitantes desse triste país que privilegia o crime e penaliza o cidadão. Confiantes na impunidade, desnudaram seu lado podre sobre alguém indefeso. Imagine se fosse o contrário. Se a filha de "família que não é qualquer uma" fosse assim atacada... Imaginemos todos se nossos filhos fossem assim atacados por essas "crianças universitárias".

Essas "crianças" são pobres, são seres limitados, são ignorantes preconceituosos. Pobre de vocês. Pobre da sociedade brasileira que abriga indivíduos como esses entre seus honrados cidadãos.

São culpados sim, os permissivos pais que consideram que seus rebentos, por serem "crianças", por serem "jovens de boa família", "universitários", estão acima da lei e não devem ser punidos por seus atos criminosos.

O exemplo dos pais e da família é determinante na conduta dos jovens. Não há como fugir disso. Por isso, não há como nenhum pai ou mãe (salvo raríssimas exceções) dizer que não é culpado pelos erros que os filhos cometem, espelhados nos valores que sua família defende e pratica.

O ataque covarde à Sirley e a indecente justificativa, para mim, resultam de uma educação baseada na discriminação e na arrogância daqueles que, tendo tudo, julgam-se acima de quem nada tem e, mais grave ainda, julgam que as leis não são feitas para eles (e, nisso, infelizmente, não estão errados). Provavelmente, este cinco criminosos quase nada sofrerão porque, neste pais, criminosos raramente pagam por seus crimes.

Eu tenho duas ajudantes que saem muito cedo de casa para trabalhar, uma delas jovem. Ontem fiquei olhando para essas mulheres, imaginando-as na situação da Sirley. Confesso que fiquei sufocada de medo e indignação. Eu tenho sobrinhas mocinhas, começando a sair de casa para as diversões da juventude. Imaginei os perigos e o sofrimento a que estariam expostas caso encontrassem pela frente algum dessas "crianças". Tremi de medo e de dor por ver que aqueles que deveriam ser exemplo são vergonha.

Diante de mais esse triste fato, fico pensando que sentido há na luta pela ética, na cobrança diária sobre os patéticos (para dizer o mínimo) representantes políticos que temos, se as famílias, ignorando a honra, a verdade e a lei, defendem seus crimes particulares e, provavelmente, por extensão, são também lenientes em relação a outros crimes, desde que cometidos por gente que tem "família importante".

É assim que se mistura gente com vaca, com lambari, com vampiro, com sanguessuga. É sempre assim.

9 comentários:

Cejunior disse...

Saramar, eu até acredito que esses "animais" vão pegar moleza. Infelizmente. Minha esperança é que a turma do xadrez, que fica revoltada com essas coisas, aplique um corretivo nos cinco. E dos bons!
Tomara que a pressão da sociedade resulte em alguma punição mais efetiva.
E vamos manifestar nosso repúdio à declarações infelizes e prepotentes desse pais que não sabem ou não querem educar seus filhos. Eles são mais responsáveis por essa agressão do que os cinco "trogloditas".
Beijos.

Stella disse...

pais ( se assim podem ser chamados) e filhos são o reflexo do país onde lei é lixo e a impunidade reina

Joana Dalila Santos disse...

Isto está bonito está...

CAntonio disse...

Saramar,

Hoje cedo, ouvi o comentário de José Nêumanne na Jovem Pan, sobre as declarções dos pais destas estúpidas feras: Vai ao encontro com tudo o que voce escreveu.

Neumânne disse aquilo que estamos cansados de saber e criticar: os exemplos lá de brasília influenciam os habitantes dessa fossa chamada Brasil.

Impunidade é meta de governo, Corrupção é ideologia de partido e Sacanagem pura e simples é um ideal a ser alcançado pelos jovens de hoje.

A Faixa de Gaza é um paraiso.

Fechemos o Brasil, para o bem da humanidade.

SDS,

ROÇA COISA É OUTRA LIMPA disse...

A fala destes pais é o reflexo do exemplo que temos de cima.É a segurançla que têm de que nada será feito de mal contra seus filhotes bandidos.Eles têm certeza absoluta disso...e nós também.

junior disse...

saramar, eu tb achei uma falta de educação bater na "prima".
beijos

alexandre, the great disse...

Pais ou cúmplices? Eis a questão...

Alexandre, The Great

Ronald disse...

Não cabe à mim nenhum questionamento à respeito a questão. Cabe única e tão somente que eu pague os impostos em dia para sustentar quem nada faz e mais nada. Quieto já estou errado e, se abrir a boca, corro o risco de ser preso... Democraticamente Brasil

Betty disse...

Amiga querida

Esses pais, esses filhos, são a imagem perfeita da nossa triste realidade. A moral do povo brasileiro está indo ladeira abaixo faz tempo e está bem próxima de se espatifar por completo. Na queda vem perdendo a compostura, a dignidade, enquanto acumula chagas incuráveis.

Eu tenho uma teoria sobre a educação dos filhos nos dias atuais, mas não seria adequado ocupar esse espaço de comentário com uma longa dissertação. Logo que possa mando um email para trocarmos idéias.

Com carinho
Betty