O VERDADEIRO MURO

Como hoje é sábado, permita-me um desabafo e perdoe-me o tom.

Fiquei aqui pensando em todos as pessoas que despejam baldes de palavras todos os dias, denunciando, reclamando, esclarecendo, xingando, etc., etc. Baldes pequenos ou gigantes, não importa.

São pessoas semelhantes a mim, a você, que trabalham demais, que cuidam da família, que encaram os problemas comuns de seres comuns, com filhos, cônjuges, parentes, tristezas e alegrias, dívidas, gerentes de banco, saúde, dores, amores. São pessoas honestas que respeitam o país, que cumprem as leis e pensam no futuro para si, para os seus, para o resto do mundo. Pessoas normais, enfim, que acreditam nos seus direitos e cumprem os seus deveres.

Sinto uma ternura imensa por todas estas pessoas. Afinal, enquanto estão tentando (e conseguindo) viver, são vítimas daqueles que, eleitos para administrar e proteger, roubam, enganam, ignoram e desrespeitam o cidadão.

Diante destas pessoas, eu me pergunto todo dia:

O que elas, eu, você, temos em comum com os indivíduos mentirosos, desonestos, corruptos e cínicos que fingem nos representar?

A quem estes indivíduos realmente representam, senão a si próprios?

O comportamento das "autoridades" brasileiras reflete o comportamento da maioria dos cidadãos? Os milhões de brasileiros, somos todos tão maléficos quanto são nossos governantes?

Não. Eles, os falsos líderes, os defensores do esquerdismo desvairado, as hienas corruptas, os parlamentares vendidos, os corporativistas desonestos não têm nada em comum com as pessoas comuns como eu e você.

E, enquanto estamos de cá, construindo uma vida baseada na dignidade que ensinamos todos os dias aos nossos filhos, eles estão lá, totalmente separados de todos nós, praticando a chantagem, corrompendo os fracos, comprando os desonestos.

Não podemos, porém esquecer: eles são poucos. Nós somos MULTIDÃO.

11 comentários:

Magui disse...

Exatamente.Vc falou tudo.Não podemos perder as esperanças.

CAntonio disse...

Perfeito Saramar.

Elles apenas são a minoria, porém fazem barulho, muito barulho; enquanto a maioria silencia.


Bjusmil

Ricardo Rayol disse...

eles tem muito dinheiro e poder. por isso são minoria.

Mário disse...

Saramar, é por tudo isso que aqui eu encontro que vivo momentos maravilhosos neste seu excelente blogue. Daí porque deixei um presente para você lá no APOIO. Bom Domingo, minha amiga.

Nilson Barcelli disse...

Conheço muito mal a realidade brasileira, nomeadamente a política e a social.
De qualquer modo, convém não desesperar porque este seu texto pode ser aplicado a imensos países. Acho mesmo que a quase todos, pois só nos países nórdicos a corrupção e males equiparados não são tão evidentes.
Beijinhos.

Ronald disse...

Poder econômico, só isso. Mudaram todo o conceito de ética e caráter... Um beijão minha amiga

alexandre, the great disse...

Saramar. O brasileiro é tão ordeiro e pacífico que mesmo diante de tantos desmandos, continua acreditando na via democrática para implementar as mudanças.

Ou será que forjamos uma sociedade enviezada depois de tantos anos de "jeitinho brasileiro"?


Alexandre, The Great

pianomanga disse...

Oi Saramar boa tarde.
Saramar,você atacou a questão do la
do que ela tem que ser atacada,o po
vo brasileiro é muito bom,ordeiro,
trabalhador etc... só não tem inici
ativa em defender seus direitos,e
ainda usa dizer que odeia politica
sendo assim estamos no mato sem qualquer especie de animal que pos
sa por nós lutar,ja que nossas pseu
das lideranças politicas tornaram-se membros desta quadrilha que sa
queia descaradamente o Brasil. Muito obrigado pelo presente que me enviastes,Toquinho é demais,bjão
e boa semana pra você.

Lino disse...

Saramar:
Muito bem colocado. O que precisamos fazer é fazer com que a nossa maioria, valha. Temos de impor a multidão a estes poucos que, além de serem tudo o que você disse, ainda sujam o sistema de representação.

Marcos disse...

Eu só faria uma pequena emenda em seu brilhante desabafo. Não só os defendores do esquerdismo desvairado, mas os defensores desvairados de qualquer ideologio, seja de que matiz for. Os de esquerda, de centro e os porraloucas também não têm feito nada de digno há anos e anos e nem prometem fazer no futuro.

Stella disse...

Sara, somos sim uma maioria, mas uma maioria que está anestesiada diante de tantos descalabros cometidos por essa minoria.
temos que buscar algum meio mais eficaz de reação