A FALSA SOBERANIA

O coro dos medíocres elevou-se em atordoante altura na América Latina, repetindo à exaustão uma única palavra que revela a hipocrisia dos seus integrantes: soberania.

Luiz Inácio da Silva, por exemplo, não se lembrou de bradar por ela, em desvairado bramir (como aquele que usou para falar do Judiciário) quando o irresponsável cocaleiro invadiu e tomou as instalações da Petrobrás, patrimônio brasileiro (e não dos companheiros, é bom lembrar).

Rafael Correa, outro medíocre esquerdo-populista tampouco esperneou quando os criminosos das tais farc's invadiram o Equador ou quando Chavez interferiu no processo eleitoral deste país. Aliás, tendo os mesmos motivos, também não o faz o louco bolivariano, insuflador de guerra nos países alheios para desviar os olhos do pobre país, vítima de sua insensata sede de poder.

E não o farão nunca, uma vez que, com o deslocamento foco para a questão da soberania o que pretendem os mosqueteiros do mal é enfraquecer o presidente Uribe, da Colômbia e, ao mesmo tempo, fortalecer o braço armado e criminoso do Foro de São Paulo. Tanto é verdade que Chavez é o mentor da reação de Rafael Correa em relação ao incidente da invasão do território equatoriano. Tanto é verdade que este presidente está no Brasil para instruir-se com Luiz Inácio da Silva, figuraça do tal Foro.

Longe de defender os respectivos países contra o verdadeira ataque à soberania de todos eles, representado pela atuação dos narcotraficantes das farc's, o que buscam esses falsos governantes é a consolidação do poder da esquerda populista na América, com todo o cortejo de desgraças que dela advirão.

Longe de defender a soberania des suas pátrias, estão defendendo as farc's, grupo de traficantes, sequestradores, estupradores e assassinos que ameaçam quatro países, sem que seus governantes, eleitos para defender a nação, cumpram seu dever, à exceção de Uribe. Justamente por ser exceção diante da insanidade, a Colômbia está sendo vítima dos irresponsáveis manipuladores dos fatos.

O esquerdismo, qual praga, desde que surgiu, só consegue se impôr utilizando a violência e a tragédia. Nenhum país o adotou por livre vontade. Infelizmente, aqui na América Latina, não será diferente, tendo em vista a já iniciada "marcha da insensatez" dirigida por Luiz Inácio da Silva e seus assemelhados vermelhos.

8 comentários:

DO disse...

Alias,eu pensava nisto hoje,SARAMAR: onde é que a esquerda deu certo?

Alguem pode me responder??

beijos!!

Cejunior disse...

Infelizmente, por um longo tempo vamos ter que aturar esses populistas de plantão...
Um beijão.

Jussara Gehrke disse...

pois é, se não for a força não vai, e mesmo assim insistem, já foram tantas tentativas e sabemos o resultado, e enquanto isso sofremos...

Jorge Sobesta disse...

Saramar,

Posso ser chamado de doido exagerado, mas juntar um maluco por conveniência cheio do petróleo e parte da Amazônia, um débil mental como Lula com mais um grande pedaço da Amazônia e um nunca-ouvi-falar revoltado, dono de um (outro) país de merda contra o único país que não está na contra-mão da história e que tem investidores ,dentre outros, americanos e canadenses, por causa de uns bandidos ditos "revolucionários" é abrir uma brecha pra neguinho meter a mão nessa bosta logo , né não?

Grande abraço.

PS: desculpe as palavras de baixo calão, como Lula, Cháves, etc.

Stella disse...

você percebeu que até agora nenhum desses que você citou teve a coragem de chamar a Farc de guerrilheiros - terroristas - narco-traficantes ?!
ainda ancham que são revolucionários lutando em nome do povo!
é muita estupidez!

tita coelho disse...

Ai Saramar...é isso que dá juntar um bando de emergentes!! E por sinal...onde é que a dita "esquerda" deu certo? Historicamente o povo é massacrado, fica pobre...Uma tristeza!!
beijos saudades de "tu"

luma disse...

Saramar, difícil saber qual deles é o pior, mas Rafael Correa é mais um abestado comandado por Hugo Chávez que manipula a todos como bem quer. Um minuto de silêncio por Raúl Reyes foi demais! Beijus

Anônimo disse...

Imagina se eu tivesse uma roupa de grife daquelas não estaria com uma enxada na mão, e é agora que perguntamos "que país é esse?"