ACORDA, BRASIL!

"Queria dizer ao Presidente Luiz Inácio... Pedir perdão por ele ter criticado os que trabalham. E entendo (...) que não somos Poder Legislativo, Judiciário e Executivo, somos instrumentos da democracia. Poder é o povo, que trabalha, que paga imposto. A ele a nossa desculpa por essas palavras inadequadas do Presidente da República criticando quem trabalha."
(final do discurso do Senador Mão Santa, ontem (27.05.2008) no plenário.

Hoje, mais um palanque; amanhã, mais uma inauguração de placa de obra; ontem, a ministra que vai ao Jô despejando cifras absurdamente irreais em vista da execução orçamentária, ou seja, do que realmente está sendo realizado (veja também aqui). Antes, o partido no foro de são paulo que defende as farcs e Chávez, seu chefe, como já andam afirmando.

Hoje, a inflação, os juros altíssimos, a desesperança de quem já não sabe de onde mais tirar dinheiro para sustentar a corte vermelha e voraz; ontem, a violência incentivada e paga pelo governo (?) de quem desafia as leis e sabe que não será punido, provocando prejuízos; amanhã, o incontrolável resultado da incompetência administrativa que está entregando o país tanto aos loucos comunistas, como aos aproveitadores capitalistas. Antes, a apropriação sem freios do dinheiro público protagonizada por falsos representantes dos trabalhadores, em qualquer lugar onde se encontrem, seja no governo (?), seja nas ongs, seja nos sindicatos, prefeituras, câmaras e assembléias legislativas ou no congresso nacional.

E depois de amanhã?

O que será do país que era do seu povo e agora é dos companheiros?
O que será dos nossos filhos diante da degradação moral, da decadência dos costumes cujo exemplo são as "autoridades", diante da mentira, das falsas realizações, da compra dos miseráveis, do descaso com a saúde, a educação e a segurança?
O que será do Brasil depois que a falsa e covarde oposição lavou suas mãos diante do caminho que estamos trilhando rumo à tragédia representada pela esquerdização, que todos já conhecem de sobejo?

Depois de amanhã, quanto mais teremos de chorar como choram os cubanos, os venezuelanos e os bolivianos?

O Brasil precisa acordar antes de ontem.

13 comentários:

Ronald disse...

Só discurso, só discurso e vazios ainda. Sim, já deveríamos ter acordado faz é tempo maas...

Mário disse...

É, Saramar, tempos tortuosos (Mais!!!) se aproximam. Senti isso logo que a direita começou a conversar com a esquerda(?) no poder. Oposição não existe faz tempo. No final, é tudo um jogo onde cada qual interpreta um papel e - para nossa surpresa - se alternam nestes papéis inusitados.

Passei, também, para avisá-la que destaquei o seu ótimo comentário sobre o post de ontem.

Anônimo disse...

Acordar pra que? .. fala sério Saramar .. pra olhar essa onda de falcatruas, desmandos, corrupção .. pra ver um Jô Soares se prestando a um papel daqueles .. tentando dar credibilidade a Guerrilheira/Ministra .. pra ver esse consumo mentiroso .. onde o povo esta encalacrado de dividas até a raiz dos cabelos .. pra ver a imoralidade campeando solta por ai .. sei não minha amiga .. como dizer para os meus seis filhos que roubar, mentir, matar é errado .. melhor continuar dormindo .. pois o despertar com toda certeza será muito amargo .. embora eu continue achando que a grande mudança esta dentro da gente .. poderíamos já agora em outubro dar uma resposta convincente a essa turba que ai esta .. pois é expressando através do nosso voto que mudaremos tal estado de coisas .. um beijo grande meu .. guto leite.
www.chutandoobardi.blogger.com.br

Magui disse...

Sobreviveremos.A pilhagem sempre foi terrível pois não largam o osso...O povo brasileiro puxa esta locomotiva pesadíssima há 500 anos.

Ricardo Rayol disse...

vou tentar fazer a minha parte, ensinar minha filha o que se deve e o que não se deve fazer e arrumar um jeito dela ir morar sei lá onde.

posturaativa disse...

o país sofre de letargia aguda, daqui a pouco entra em coma irreversível
nem para chorar nosso povo presta, aceita sem questionar

tunico disse...

Eles fazem tudo isto porque não há reação. Só uns poucos como nós que reclamamos, mas somos muito poucos. O fato perverso Saramar é que as reações são contidas pela força do arrocho. A maioria passa a vida batalhando pela sobrevivência e bem-estar pessoal e da família e sobra pouco tempo e disposição para reagir.Veja o que acontece com a classe média. Como o poder público não oferece saúde, segurança,transporte, educação decente, precisa pagar por fora estas coisas e para tal precisa trabalhar cada vez mais.Eu estava comparando minha trajetória de vida ontem. Aos 30 anos de idade, precisava trabalhar 8,5 horas por dia para me manter e à minha família. Hoje, com 56, preciso trabalhar 13 a 14 horas diárias, inclusive nos fins de semana e feriados para manter aquilo que conquistei em 35 anos de trabalho.Acreditei no Sarney e na Nova República e me ferrei. Acreditei no Collor e me ferrei. Acreditei no FHC e me ferrei no seu segundo mandato.Aí perdi de vez a credibilidade nesta corja de bandidos. Eu tinha a certeza que os petistas iriam acabar de enterrar a classe média como estão fazendo abertamente,tirando sarro da nossa cara e nos taxando ainda de burgueses. Somos burgueses? Sim! Mas honestos. Ainda temos nossa disposição para escrever e reclamar. Falta agora reagir objetivamente.Mas como? Nós não somos guerrilheiros, eles são. Nós somos pacíficos, eles não. Nós temos ética e moral, eles não. Nós acreditamos na honestidade e no caráter, eles não estão nem aí para isto. Precisaríamos criar um movimento objetivo. O pessoal do "Cansei" tentou mas foi logo desmoralizado pela máquina propagandística da corja. Vou pensar e colocar idéias no União e Ação,na minha hora diária que reservo aos blogs.Conto com você. Não podemos mais ficar neste marasmo.

DO disse...

To com a MAGUI,SARAMAR.

Só espero que esta quadrilha se pique em 2010.

Mas o pior é que vem outra,né?

:)

ROÇA COISA É OUTRA LIMPA disse...

Tem bastante gente acordada na Banânia, viu Saramar.Indios, cotistas, mst, gays, donos de ongs, filhos bilionários de presidentes....

Suzy disse...

Saramar, amanhã, se lula se auto-proclamar ditador vitalício, acho que a sociedade continuará em silêncio, e embora estupidificada, deixará rolar.

Carlos Emerson Jr. disse...

Quem vai acordar ? Para perder as bolsas que sustentam uma vidinha miserável ? Deixar de faturar fortunas com monopólios, isenção de impostos e juros altos ? Perder indenizações milionárias e pensões vitalícias ? Deixar para trás mordomias e verbas garantidas em oito anos de mandato ? (Ou 4, se for deputado) ?
Não Saramar, não interessa para ninguém que o Brasil mude...

Frodo Balseiro disse...

Infelizmente tenho más notícias para você Saramar!
A proporção de pessoas que tem a mínima noção do que está ocorrendo "nestepaiz" é ínfima.
Com a agravante de que muitos dos que sabem, silenciam, pois estão sendo grandemente beneficiados pelo "guvernu pupular" de Lulla, e da corja que o acompanha!
Você acredita que essa nova classe social do país pertencente ao que no passado se chamava "sindicalismo", e hoje depositam suas bundas gordas em cargos altamente bem remunerados tem alguma vontade de mudar o que quer que seja?
A verdade, dura e cruel é que o país está aparelhado! Nada do que seja sério passará por esse maldito filtro formado pela burocracia lullo/petista!
De um lado, os bilhardários beneficiados pela inércia da incompetência, e pela covardia do "governo do social".
Do outro, miseráveis ignorantes que se contentam com o bolsa pinga, e muito discurso populista.
Sei não...tá difícil resistir!

paschoal disse...

Sabes o que é pior? Depois de amanhã não haverá choro nem ranger de dentes. Esse povo que elege os governantes que aí estão são analfabetos de pai e mãe. Vendem seu voto e um possìvel bem estar de sua família pela bolsa-esmola e esta, seguramente, se perpetuará tal qual o presiMente lulla.
O Brasil ficou na janela vendo a banda passar e dançou bonito.
Minha parte, assim como a dos comentaristas acima, além é claro, dos blogueiros com a sua qualidade e disposição é que têm feito a diferença, entretanto, somados, quantos somos?
Entretanto nosssa guerra continuará, não abandonaremos o front e levaremos nossas palavras ainda que a ouvidos moucos.