O GRAMPO ILEGAL É PIADA?

Paulo Brossard, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, afirma com todas as letras que o chefe do País não pode alegar que não sabia do grampo no telefone do ministro Gilmar Mendes. "Esse é um serviço do presidente, para o presidente. Se um de nós quiser um dado lá [na Abin], não obtém. Há um sigilo absurdo. Acho que o presidente [Lula] não pode continuar dizendo que não sabia das coisas".
Do Diego Casagrande


Em um momento tão grave quanto este, em que os cidadãos finalmente percebem a gravidade do desrespeito à democracia brasileira, promovido dentro de uma entidade governamental diretamente subordinada à presidência da república, uma cena provoca engrulhos e revolta: trata-se da visão de Luiz Inácio da Silva dando risada diante de sua própria e insolente piada, mais um daqueles tapas na cara a que nos acostumamos desde que ele e seu partido chegaram ao poder.

Certamente a anedota sem graça e extemporânea não terá sido o motivo da alegria do presidente da república. Acredito que ele ri de nós, os otários que, mais uma vez, engoliremos alguma versão construída por estrategistas políticos (ou por marqueteiros) para mais um grave crime de lesa-pátria cometido durante este governo (?!?) que sempre afirma nada saber.

Diante de tão grave circunstância, um governante preocupado com a democracia e, mais ainda, com os cidadãos, teria se apressado a explicar à nação as suas providências, seja pessoalmente, seja por meio do seu porta-voz oficial. Luiz Inácio escolheu a galhofa, como se um crime cometido contra a república fosse motivo de piadinha infame.

Tão preocupante quanto o atentado cometido contra o estado de direito é a postura irresponsável de quem deveria ser seu guardião, rindo e brincando diante do desastre.

Ademais, se sabe que a Abin, como entidade governamental, não praticou a escuta ilegal, conforme afirma Ucho, em matéria de ontem (às 11h06m) e, ainda assim, demitiu seus dirigentes, Luiz Inácio da Silva foi injusto usando uma estratégia de palanque para fingir que tomou alguma atitude. Sobre o crime, o erro maior, vão se acumulando outros, em verdadeira bola de neve que poderá, a qualquer momento, vitimar ele mesmo. Que o digam os grampeados, a priori, inocentes.

Como disse muito bem o Políbio Braga, "somente o Congresso e o Ministério Público possuem independência para desvendar os desvios, punir os malfeitores, desmontar seus aparelhos e submeter a Abin ao rigores da lei". A escolha da Polícia Federal (e só ela) para investigar o crime, juntamente com a postura do presidente da república demonstram que a democracia é a última das preocupações do governo (?).

8 comentários:

Anônimo disse...

Fala ai amiga Saramar .. eu sou de um tempo em que GRAMPO era usado como acessório feminino pra prender os cabelos .. quem sabe agora o tal GRAMPO não sirva pra colocar essa QUADRILHA em cana .. um beijo grande do amigo carioca .. guto leite.
www.chutandoobardi.blogger.com.br

DO disse...

O PInócchio já percebeu que basta ele SEMPRE falar que não sabe de nada,que desconhece tudo,que fica por isto mesmo. A carneirada acredita nele.

Beijos!

Cecília disse...

É piada...
Sabe que eu também não sabia?!?!
Fala sério, né? Será que basta ele dizer que não sabia? Ele nunca sabe de nada...
Cada dia que passa fico mais indignada.
Beijos

Ozéas disse...

O que mais chama a atenção é que em 2007 foram praticados 407 mil grampos no país, estima-se ainda, outros tantos 500 mil podem ter sido realizados ilegalmente.
Agora que a coisa além de institucionalizada, começa a morder a mão dos donos, fica esse pula, pula....
Temo ser cada dia mais tarde para se reverter esse padrão.

Magui disse...

O jogo de poder dentro da ABIN e do próprio governo ainda vai dar muito pano pra manga.Ainda bem que tem dedo duro para contar pra Veja.

João Bosco disse...

Piadas a parte, o momento é sério.
Este episódio é o maior atentado ao Estado de Direito desde a queda dos militares.

Mario disse...

Olha Saramar, essa nossa democracia anda tão caótica que já to com saudade dos outros "três poderes": Marinha, Exército e Aeronáutica. Será que eles não voltariam só para o país não terminar no esgoto?

Anônimo disse...

Gosto de todos os comentários feito por pelo politizado Saramar. Principalmente porque fornece elementos para compor uma análise mais filtrada do governo.
Porém fica bem claro que, não podemos levar tudo a ferro e fogo, porque o que de pior pode existir em qualquer publicação informativa e quando ela é sempre tendenciosa acompanhando não a realidade mais o mais puro sentimento de quem escreve.