SETE DE SETEMBRO



“Minha pátria é como se não fosse”.

Se o Poetinha estivesse aqui, reafirmaria sua vontade de chorar e a sensação de fragilidade infantil da nossa pátria.

Fragilidade sim, porque é escrava de seus filhos desavergonhados e, como mãe, ainda os acolhe e protege.

Nossos somos seus filhos e ela é infantil em sua incapacidade de compreender as correntes lodosas que a estão submergindo. Infantil na medida em que a maioria dos seus filhos é ignorante, cega e, por isso, muda, inerme. Infantil porque, diante da força de seus inimigos, encolhe-se e se esconde.

“Choro de saudades da minha pátria”.

Choramos todos diante da pátria aviltada, preterida em nome de ideólogos do caos esquerdista e seus lacaios, porque aqueles não existem sem esses. Pátria, pátria, onde estão seus filhos ridiculamente, lindamente verde-amarelos que trabalham por si? Foram todos levados, foram todos comprados pela maré vermelha?

“A minha pátria é desolação de caminhos, a minha pátria é terra sedenta...”

Nos versos do Poetinha a nossa contemporaneidade: o deserto, a morte, a falta de homens de bem, de homens corajosos à frente dos destinos da patriazinha indefesa, diante do fim da ética, morrida de morte matada por seus espúrios filhos que a renegam todos os dias em proveito próprio.

Nestes tristes versos, a sede da pátria amada. Sede de futuro, mas, principalmente de presente, de desenvolvimento agora, de seriedade agora, de justiça, agora. Sede de vergonha na cara para os seus filhos que assumem desavergonhadamente que a ética é lixo e, como tal, deve ser desprezada.

Acorda minha pátria!

Levanta do teu berço esplêndido e coloque o teu bloco de cidadãos na rua para derrotar a mentira contumaz, para expulsar os corruptores, os ladrões do seu sangue, do seu suor de suas esperanças.

Chega de libertas quae será tamen.

Queremos liberdade e moralidade hoje, neste que já foi o seu dia.

Levanta-te minha Pátria.

OBS.: os textos ente aspas são do poema Pátria Minha, de Vinícius de Moraes

ESTE TEXTO É DE 2006, MAS CREIO QUE AINDA É ATUAL.

5 comentários:

DO disse...

Super atual,Saramar. Aliás,poderia ter sido escrito em outros anos que caberia e muito,rss

Boa semana!

Anônimo disse...

Infelizmente, o sentido de pátria se perdeu no Brasil. Curiosamente, quem é patriota é visto como retrógrado, mas os mesmos que combatem o patriotismo, são os que admiram os estrangeiros, desconsideram que os estrangeiros são patriotas, valorizam suas riquezas, seus costumes, seus povos.
Manoel Carlos

Freeman disse...

Querida Saramar,

Obrigado pelo sempre correto comentário e sua visita ao blog. Tenho estado muito ausente, mas quando posso o "Abrindo Janelas" é sempre o minha primeira escolha.Você faz um enorme bem à nossa alma!
Espero que você esteje bem. Sentimos quando você está ausente.
Afetuoso abraço,
Freeman

cilene disse...

Nossa Saramar, vc escreve tao bem, essa gripe E uma maldicao e estou com muito medo de vacinar minha filha tambem. Ela ja passo 2 anos com problemas por causa da vacina comum de gripe, imagine essa que nem testada foi ainda. Ja morreram , acho 4 na Noruega por causa dessa maldita gripe. E como no Brasil as autoridades nao levam nada a sério, O SUS e uma droga, E apavorante pensar, mas mesmo nos paìses ricos , a coisa nao vai bem. Eu nao entendo o Brasil, tao rico, tao estupido, Um povo que vota nos mesmo bandidos de sempre e ficam reclamando depois; tem alguma coisa errada com os brasileiros.

cilene disse...

Incrivel, como ontem me lembrei de vc , várias vezes no dia, eu vc apareceu de noite no meu blog. Incrivel.