A CEGUEIRA DOS COMUNISTAS

Há alguns dias, Emir Sader escreveu um artigo que sobre “a miséria moral de ex-esquerdistas”, onde, com a retórica costumeiramente confusa, defende o que pretendia atacar, como neste trecho:

[O ex-esquerdista] “precisa chamar a atenção dos incautos sobre a dependência que geram a “dialética”, a “luta de classes”, a promessa de uma “sociedade de igualdade, sem classes e sem Estado”. Estas aspas todas são do autor.

Por que é “deprimente” deixar a esquerda e receber os “os salários no fim do mês”? Será vergonha trabalhar para se sustentar? Talvez para a esquerda, trabalhar seja aderir às “medidas e ações mais afinadas com o desenvolvimentismo capitalista e os valores clássicos da democracia representativa burguesa”, como afirmou Hamilton Octavio de Souza em artigo da revista “Caros Amigos” em que elogia o artigo do Sader, em meio a outras insanidades.

Por que as pessoas não podem adotar outra visão de mundo, mudar, enfim? Será o pensamento esquerdista algum édito divino a que os indivíduos devem se prender por toda a existência? Será a ideologia esquerdista perfeita a ponto de ser impossível renegá-la? Ser ex-esquerdista é ser miserável moral? Por quê?
Talvez o Hamilton ou o Sader possam escrever outro artigo com algumas respostas.

Confesso que não entendo o que move os esquerdistas nesta luta contra “o desenvolvimentismo capitalista e os valores clássicos da democracia representativa burguesa”, principalmente tendo em vista que os resultados dos regimes esquerdistas foram e são catastróficos para os povos a eles submetidos.

Tenho capacidade intelectual para compreender o sentido das utopias e dos idealistas (entre os quais o lulopetismo definitivamente não está incluído), mas não entendo os defensores de ideologias que, para mim, representam o lado negro do idealismo.

Também não consigo entender que pessoas tão esclarecidas, bem formadas e inteligentes pautem suas vidas pelas palavras de um ou dois indivíduos já ultrapassados e não conseguem enxergar o mundo novo em que vivemos. Não entendo, por exemplo, a defesa daqueles que insistem na manutenção dos indivíduos como prisioneiros em nome de uma visão política que se revelou, não só ineficaz, mas trágica, como a experiência da URSS demonstrou e a de Cuba mostra cotidianamente, bem aqui do nosso lado.

Se as teorias da esquerda nunca deram certo e só vigoram por meio da violência, da censura, da ditadura, por que pessoas que afirmam defender a igualdade insistem em implantá-las?

Que cegueira é esta, meu Deus?

8 comentários:

IVANCEZAR disse...

Provavelmente, no limiar de um milênio que apenas ensaia seus primeiros passos, ainda a humanidade esteja à mercê de fundamentalistas, sectários, e extremistas .Creio que seu texto está muito bem dirigido, mas penso que vale também para os extremistas de direita.
É uma lástima que o planeta não abrigue novos modelos de gestão coletiva, com menor peso do individualismo e menor concentração de poder em mãos de poucos.
Penso que a globalização, sobretudo, se revelou tão cruel que em muito breve espaço de tempo voltaremos a discutir temas como a reserva de mercados - barreiras protecionistas, etc, etc
Não é possível que "grandes" capitais migrem movidos apenas pela especulação e indústrias encerrem suas atividades num país para produzir em outro com mão de obra semiescrava ....
Digo mais - tanto quanto a hipócrita concentração de poder da "nomenklatura" , a ditadura do capital produz incontáveis vítimas.
O caminho do meio ainda está para ser aberto .
Beijo

Alexandre, The Great disse...

Saramar: não é cegueira, mas semvergonhice pura, isso sim.

Bjs,

Alexandre, The Great disse...

Saramar: não é cegueira, mas semvergonhice pura, isso sim.

Bjs,

Fábio Mayer disse...

Todas as vezes que leio Emir Sader me irrita o acúmulo de mitos... este indivíduo é assim porque ainda vive nos anos 40 e ainda admira Stalin como Pai da Pátria Socialista, e não como o genocida que efetivamente foi.

posturaativa disse...

Essa *cegueira comunista* existe só na hora do discurso, porque no dia a dia eles vivem das benesses capitalista e não se envergonham em usar a corrupção para se manter no poder

Star disse...

Bom dia Saramar, eu procuro alguma parte de mim que aceite essa demência disfarçada de ideologia, mas não dá para entender, eu não os considero cultos e nem esclarecidos, cultura implica em mudança, eles acumulam informação, mas não se modificam, continuam pensando e falando as mesmas bobagens da adolescência.

Beijo

Ari disse...

Saramar, gostei muito do teu post. Comecei a comentá-lo aqui, mas ficou muito extenso e resolvi fazê-lo na forma de um post também. Caso queiras ver está em: http://saladalareira.blogspot.com/2010/03/conversa-real-e-virtual.html

Eliana Gerânio Honório. disse...

Muito bom!