BONECOS VERMELHOS

(...) a tal ponto chega a confusão de valores que, de consciência limpa e coração aberto, montados no dinheiro do povo, gastando a mãos abertas os impostos que o povo paga, querem convencer o povo, através de veículos, auto-falantes, propaganda impressa que o povo custeia, que são excelentes, honestos e indispensáveis e merecem tôdas as consagrações!

Não podemos considerar a candidatura de Dilma Roussef como mais um dos erros do Luiz Inácio, o boneco que se tornou um monstro. O petismo, apesar de fingir certo entojo em relação à candidata, sabe bem a importância dela para a continuidade da materialização dos seus planos. Não é à-toa que esta mulher foi programada para ser a cópia do “lula”.

A descoberta do esquema criminoso do mensalão atrapalhou o projeto petista de transformar o Brasil em uma Cuba continental porque, como uma guilhotina francesa, cortou as cabeças do partido e afogou os ratos, pelo menos na aparência, uma vez que muitos deles, principalmente os mais poderosos dentro da ninhada, continuam comandando os destinos de quem chafurda na lama vermelha (e os destinos deste país).

O rescaldo desta degola não resumiu o petismo à figura da Dilma. O petismo conta com indivíduos mais proeminentes que ela, principalmente no que se refere ao jogo político. Entretanto, ela foi a escolhida. Ora, nem precisamos perguntar por que. Sua posição na chefia da casa civil, sucessora do pernicioso José Dirceu já esclareceu tudo, desde o início.

Dilma Roussef é a mais perfeita candidata para o petismo porque, alienada desde sempre pelo esquerdismo, segue sem voz, sem idéia, sem importância individual. É um fantoche, como só os esquerdistas sabem criar. Está programada para obedecer, ainda que a ordem seja beijar Hugo Chávez, o ditador insano que está levando a Venezuela ao abismo. Ainda que a ordem seja obedecer ao Dirceu, fingindo que não se lembra dele.

Dilma é um boneco que serve aos interesses do partido. Isto lembra alguma coisa? Lembra alguma situação já vivida em outro lugar?
Se nos lembramos de que o momento brasileiro repete situações de países que hoje mendigam pelo mundo, depois do genocídio que dirigentes esquerdistas provocaram, então precisamos ignorar o boneco. Precisamos observar quem comanda as linhas que o movem. Certamente, não é Luiz Inácio. Bem que o criaram pensando ser um fantoche de alta durabilidade, porém se esqueceram de cortar sua língua e esta o queimou.

Mas Dilma não se auto-destruirá assim. É mais inteligente e, apesar da mentira sobre o mestrado, ela estudou, ao contrário do Luiz Inácio. Por isso, as idéias dos seus programadores foram facilmente inseridas em sua mente obediente. Ela não vai falhar.

Depende de nós, como diz aquela música. É ilusória, porém se aplica perfeitamente ao contexto desta eleição.
Depende de nós.

5 comentários:

Ari disse...

Brilhante. Perfeita a caracterização.
A candidata é um fantoche, e não do Lula, que também o é.
O "coletivo" que manipula a ambos e a muitos outros, embora invisível, pode ter sua atuação observada pela movimentação dos cordéis.
De Lula, antes de tornar-se inútil, ainda vão extrair-lhe tudo que puderem, sem que este possa sequer imaginar que seu capital político pessoal lhe permitiria autonomia; está condenado a comer na mão de outros, e até por isso não vê nada de mais no assistencialismo vinculado a um projeto político. É desprovido de referências outras que não a de seus controladores. É sustentado artificialmente por uma corte que nas sombras prevê e provê a estratégia e os meios de condução do destino do país, à revelia da livre deliberação da população.
Faz até lembrar o antigo império chinês, com aquelas intrigas palacianas mortais e com o imperador ostentando unhas enormes, dando voltas, impossibilitado até do uso de um garfo (ou de pauzinhos...), passando a mensagem de que existia para ser servido. E a corte servia, e se servia.

posturaativa disse...

querida Sara, a cria pode se tornar pior que o criador

Ari disse...

Saramar, eu de novo, ainda sobre esse assunto, onde você pegou na veia.
Não é certamente uma ingenuidade da visão esquerdista a intenção de contrapor Lula a FHC.
Eles sabem que Serra não é uma mera criatura eleitoral fabricada, equiparável à sua boneca.
A manobra é ocultar essa fragilidade da candidata criando a imagem de que também o adversário não passa de uma marionete.
Talvez seja um mecanismo de autodefesa psicológica, em parte até mesmo inconsciente, essa insistência no erro; não te parece que algo lhes diz que a supressão da autonomia individual é contrária à ordem natural das coisas?

Ari disse...

Cacildis, veja o que o Reinaldo acabou de publicar. Eu disse que você tinha pegado na veia...
http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/voces-tem-de-ler/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+ReinaldoAzevedo+%28Reinaldo+Azevedo%29

Anônimo disse...

CONVITE
Sigam o blog http://www.amigosdoserra.com.br/
Já somos muitos, mas queremos mais!