LUIZ INÁCIO ESTÁ TIRANDO AS MÁSCARAS

Luiz Inácio não está ficando louco, como ouvi de algumas pessoas. Agora, no fim do seu tempo como governante, está apenas retirando a máscara que, mal e mal, usou durante oito anos, depois de ter sido eleito presidente do Brasil.

Durante os dois mandatos, comportou-se como candidato, prometendo e não cumprindo; anunciando e não realizando; fazendo uma coisa enquanto anunciava outra; fingindo um desconhecimento de certos temas que remete ou à ignorância ou ao desinteresse. Em qualquer dos casos, conclui-se que o atual presidente nunca teve condições de exercer o cargo que ocupa. E ele comprovou esta afirmação amplamente durante os seus dois mandatos.

Não fora sua megalomania, neste momento de final de mandato, Luiz Inácio já teria sido relegado a um lugar de honra entre os mais folclóricos políticos brasileiros, caso fosse possível esquecer a forma como apóia e defende indivíduos corruptos e suspeitos, tanto aqui como lá fora.

Entretanto, não contente com a incompetência demonstrada ao longo do seu governo, o presidente brasileiro exportou a vacuidade de suas idéias para o mundo. Para conseguir tal intento, usou e abusou da imagem do operário-no-poder. Diante de poderosa e cara propaganda oficial (paga com o dinheiro dos impostos de quem trabalha no Brasil), o mundo acreditou. A esquerda internacional se refestelou e os politicamente corretos (uma praga moderna) adotaram o salvador do mundo, Luiz Inácio da Silva. Barack Obama, que não é bobo, tratou de usar o ego do presidente brasileiro para deixá-lo feliz e, temporariamente inofensivo, diante da ligação daquele com o louco bolivariano.

E, como dizia aquele comediante: “ele acreditou!”. Luiz Inácio sempre se julgou o próprio rei Sebastião, como é visto por quem lhe tem devoção. Durante o período que passou na presidência tratou de disfarçar (às vezes, revelando) este lado de “salvador da pátria”. Agora, já com um pé fora do palácio, desvelou-se de vez.

Sua admiração por ditadores assassinos, por ditadores desvairados, por tiranos caquéticos foi mais amplamente assumida. O viés ideológico de sua falsa preocupação com direitos humanos foi escancarado, como se viu no caso dos dissidentes cubanos em greve de fome.

A defesa que Luiz Inácio faz do regime iraniano e sua política nuclear, indo de encontro ao resto do mundo, não é mera loucura. Na realidade, tal atitude demonstra que o messianismo lulista atingiu seu grau máximo. “O cara” está se julgando quase deus. Só ele está certo e o resto do mundo está equivocado.

Luiz Inácio não reconhecerá um erro seu, ainda que este erro leve o Brasil para o ostracismo entre as nações modernas.

Graças a Deus (o verdadeiro), o mandato deste indivíduo está chegando ao fim.

6 comentários:

Star disse...

Bom dia Saramar, seus textos são impecáveis, eu sabia que nosso falso rei me lembrava algo, você acertou em cheio, rei sebastião. Pena que o nosso ainda vive...

beijo

Ari disse...

Né por nada não, apenas aconteceu. No começo achei que tava lendo a transcrição de algum artigo da Dora Kramer.
Esse "cara" deve ter alguma espécie de magnetismo, não só por atrair toda a escumalha como também por continuar sempre presente à atenção, referência negativa que seja.
Precisamos de outra pedra de toque, algo extremamente envolvente, desafiador mesmo, que desperte as energias do Brasil que pode mais; por exemplo, triplicar ou quadruplicar de uma paulada só os meios, os insumos, a dedicação, a ênfase, a atenção e a prioridade à educação, formando em poucos anos uma nova geração inteira incomparavelmente mais preparada que as anteriores, à altura da nova relevância econômica do país. A Coréia do Sul fez isso.
Aquele boçal ignorante nem saberá mais em que mundo está. E esse novo mundo o verá com descrédito e um certo desalento; haverá uma infinidade de coisas mais importantes com que se preocupar. A quem o futuro chama, pouco olha para trás.

Imagina se tivéssemos uma Cecília Meireles como madrinha de um programa desses, a velar por ele!
Assim como tivemos o Plano Real, que nos possibilitou um salto, está na hora de darmos mais esse, e com o apoio total da sociedade, exceto os maníacos de sempre.

Que tal fazermos a nossa própria Conferência Nacional, via blogs mesmo, e incendiarmos o imaginário?
A idéia não é original, a oportunidade está caindo de madura, e então, falta o quê?
Talvez estejamos faltando nós..., ou já estamos anestesiados e envenenados pelo "centralismo democrático"?

Cecília disse...

É verdade, finalmente ele está tirando a máscara e mostrando quem realmente é!!!

Beijos
Boa Semana

Joe_Brazuca disse...

vaidade, Saramar...extremíssima vaidade que não admite erros crassos...ou mínimos que sejam !

ele acaba...o Brasil não acaba...

sem Dilma tb !

Guto Leite disse...

Bom dia Saramar .. eu vou discordar de vc, quando vc diz que "o Luiz Inácio esta tirando as mascaras" .. no meu modesto modo de pensar, acho que somos nos que estamos tirando as vendas .. estamos aprendendo ver o dito cujo como ele realmente é .. nada alem disso .. ainda bem .. Pois em outubro teremos a oportunidade de repararmos um antigo erro nosso .. um beijo grande meu.

Voodoo disse...

Querida Sara,

Concordo plenamente com o Guto, as pessoas estão tirando as vendas, um pouco tarde, temos que admitir.
No mais seu post merece um louvor, eu penso em voltar a militar, como não tenho muito jeito e tempo para escrever, você nasceu para isto, penso em repicar post dos melhores blogs, espero contar com você, afinal gosto tanto de ti...
bjs