DE RATOS E DE HOMENS

Os ratos, por maiores que sejam, sempre recuam quando atacados. Porém, não se iluda, eleitor de parasitas. Eles sempre voltam ainda mais vorazes porque são imunes a quase tudo, principalmente à dignidade.

Ratos, são ratos, são ratos, são ratos....

Sempre estão presentes em ambientes infectos, ou seja, no lixo. Provocam doenças, principalmente se às suas já conhecidas características de roedores, associam as das sanguessugas. Neste caso, podem levar à morte. Inclusive, da vergonha na cara que todo homem deveria ter.

No Brasil, são tantos, que vira e mexe, algum governo institui a compra dos ratos. Então é uma festa: saem os representantes do digno governo à caça e sempre são bem sucedidos.

Neste governo (?) mesmo, houve um saldão. O que se viu de rato comprado não foi brinquedo. Teve para todos os bolsos, menos para o cidadão pagador de impostos, claro, que esse não tem jeito para caçador (aliás, esse é também caçado e pego pela conta bancária, geralmente deficitária, pobre imbecil).

O sucesso da operação compra de ratos se deve à única vantagem que esses animais apresentam e, ainda assim, apenas para aqueles que os compram: se gentilmente manipulados, tornam-se mansos e raramente mordem, a menos que assustados ou feridos.

Os ratos desconhecem lealdades, história, espaço e honra.

São animais, provavelmente os mais odiados, certamente os mais daninhos e desprezíveis. Por isso, vivem na escuridão, no lixo, na parte podre da humanidade.



Por isso, amigo, talvez estejamos todos na condição de Naziazeno Barbosa que,


“À noite, não consegue dormir preocupado com o dinheiro e com a idéia (quase certeza) de que os ratos roem o dinheiro para o leite de seu filho” (Dionélio Machado).


O interessante é que, ao contrário da maioria dos povos, os brasileiros não temem os ratos e convivem com eles, pagam por eles, principalmente se for um rato gordo, imenso e agressivo. O cordial brasileiro paga satisfeito.

Eu poderia ficar por mais páginas discorrendo sobre esse imundo ser. Porém, tenho o estômago sensível. Vou ali....

Blogagem coletiva, proposta pelo Ricardo sobre o tema: "Não somos palhaços!! Aumentem suas cargas de trabalho, não seus salários".

UPDATE: Infelizmente, Goiás mais uma vez, foi envergonhado por um de seus "representantes" (não meu). O já conhecido (desde o mensalão) deputado Sandro Mabel insiste no aumento indecente. Sua justificativa:

“É uma questão de poderes. Por que um promotor, um juiz que faz um concurso, com 22, 23 anos tem que ganhar R$ 22 mil e um deputado não?” (Fonte: Diário da Manhã/GO).

Sem palavras.

20 comentários:

Suzy Tude disse...

Saramar, querida, como sempre, foi ao âmago da questão!
Eu estou protestando contra mais um crime de lesa pátria cometido pelo molusco...rsrs
Beijo

Defensor, O Maldito disse...

Saudações Saramar!
Muito bem colocado. Para os ratos, VENENO. Desejo a estes cães do Congresso o fogo do inferno!
Já postei o meu protesto tb.
Abraços

Ricardo Rayol disse...

Saramar, nada como uma dose de chumbinho... ou então chumbo grosso mesmo nessa canalha.

Fábio Max disse...

Uma grande verdade, Saramar. Soube usar o termo certo para definir essa turma! Seu blog também é ótimo, obrigado pelos elogios!

Claudia disse...

Saramar, Rattus rattus, ao longo da história sempre existiram e sempre vão existir se o combate não for enérgico, vigoroso.
Na peste negra que assolou Londres em 1665, só um grande incêndio que destruiu a cidade acabou com os ratos e com a peste. Talvez a solução seja esta: precisamos higienizar o Congresso, se não for a fogo, que seja de outras maneiras igualmente eficazes.
Abraços

junior disse...

Mas parece que as reações surtem efeito, afinal. Só espero que continuemos atentos.
beijos

Santa disse...

Saramar,

Texto impecável! Sara, vc é uma blogueira política e tanto , ainda nos dá o que tem de melhor na literatura. Beijos e obrigada.


PS. Não aparece o meu nariz porque na figura da Santa é impossíovel. Mas lá no blog entrei de cara na campanha do Ricardo.

ROÇA COISA É OUTRA LIMPA disse...

Saramar, faço minhas as palavras de santa.É uma pena que a maioria dos brasileiros não conseguem ver um palmo diante de seus narizes.
Saludos

DO disse...

Como sempre vc abordando um tema pra la de polemico com muita fibra e determinação.
Sem papas na lingua,Saramar.
E por falar em ratos,não podemos nos esquecer que são sempre os PRIMEIROS a abandonar o barco.
E isto veremos em muito breve.
Beijos!

Anônimo disse...

Oi Saramar, vim ver como está a blogagem coletiva, entrei aqui e dei de cara com...um tiro de canhão! Caramba, é isso mesmo! Se nós somos palhaços, eles não passam de ratos (aquelas ratazanas de esgoto) merecedores de todo nosso asco!
E eles que não se esqueçam que um rato quando aparece sózinho geralmente chutado, vassourado, pisoteado (olha o ACM Neto aí)....
Beijos, adorei o artigo.

Jorge Sobesta disse...

Saramar,

Belo texto para um assunto tão horroroso.

Um abraço.

evandrops disse...

olá, vc esta falando de qual país? França? pq o Brasil esta mil maravilhas, lembra q q o lulinha disse nos debates? aff é triste ser governados por ratos e jumentos...

Mas uma coisa me deixa um pouco animado e aumenta minha esperança, é o fato da sociedade estar acordando, estar berrando, reclamando, indo atras do q é direito... e o fato de recuarem desse absurdo é sinal que nossos gritos estao sendo ouvidos!

abração

Patacoadas do Cleber disse...

Querida Saramar, bela manifestação. Sempre inspirada por essa sua Ira Santa.
Se tiver amigos na imprensa, informe-os da blogagem para não ficar restrito a blogosfera. Vai ser o XÔ SARNEY da temporada. Beijão

Alexandre, The Great disse...

Saramar.
Ótimo texto sobre um assunto que já parece esquecido de tão corriqueiro.
Ratos são competidores, devoram sua própria prole e os homens-rato agem de forma idêntica aos seus "pares" (os roedores).
Só não podemos, e não devemos, nos esquecer que a sua proliferação é fomentada pelo Todo-Poderoso Rei dos Ratos, o qual dispõe de
inesgotável estoque de "recursos" para sua submissão.

Existem duas faxes da mesma moeda: o corrupto ativo que paga e o corrupto passivo que recebe - as pénas são iguais para ambos (ou deveriam ser).

Alexandre, The Great disse...

Saramar.
Ótimo texto sobre um assunto que já parece esquecido de tão corriqueiro.
Ratos são competidores, devoram sua própria prole e os homens-rato agem de forma idêntica aos seus "pares" (os roedores).
Só não podemos, e não devemos, nos esquecer que a sua proliferação é fomentada pelo Todo-Poderoso Rei dos Ratos, o qual dispõe de
inesgotável estoque de "recursos" para sua submissão.

Existem duas faxes da mesma moeda: o corrupto ativo que paga e o corrupto passivo que recebe - as pénas são iguais para ambos (ou deveriam ser).

Alexandre, The Great disse...

Correção: fases ao invés de faxes.

Um beijo,

Alexandre, The Great disse...

Putz... tô mal mesmo: FACES.

:-)

junior disse...

É fácil responder o seu representante, é só mandar ele fazer concurso publico, ué.
Beijos

Alice disse...

Oi Saramar :)
Tenho horror a rato , mas tem umas ratazanas ai , sem vergonhas ...mas tem um remédinho bom para elas : união do povo e em último caso uma boa vassourada dá jeito , rs .
Bjins

andre wernner disse...

Saramar,
Palavras sábias. Aliás, este ano os roedores estavam insaciáveis. Já haviam procriado e em grande quantidade circulavam – com desenvoltura – nos corredores palacianos e nas até então distintas instituições da República.
Davam ares de roedores amigos, mas roedor não é amigo de ninguém, pois está interessado mesmo, é no farto queijo – decorado com verdinhas ($$$) – do amigo do lado ou do incauto cidadão. E assim roeram o bolso do povo os 365 dias deste ano.
Tornou-se um problema de saúde pública!
Abs