QUANDO UM ROBÔ SUBSTITUI O SER HUMANO

A ministra Ellen Gracie mais uma vez demonstra o quanto está distante da realidade ao criticar a discussão das medidas relacionadas à segurança pública na Câmara.

Esta mesma ministra -que considerou "uma casualidade" o assalto que sofreu no RJ e que hesitou em dar queixa à polícia (nem sei se deu, como é dever de qualquer cidadão)-, ao afirmar que o momento é de muita emoção para se discutir mudanças na lei, deveria sugerir qual é o momento adequado para que os cidadãos chocados e exaustos de tanta indiferença se manifestem por meio de seus representantes (?).

Talvez seja melhor que esqueçamos por 4 dias a brutalidade que nos comove e na folia de Momo deixemos todo o ressentimento, a revolta, a vergonha e o medo. Estaremos, então, prontos para discutir segurança pública?

Ou quem sabe, devamos aproveitar a semana santa para refletir no quanto nossas autoridades são frias, no quanto se distanciaram dos cidadãos, enquanto falam em "sociedade"?

Esquece-se a gélida ministra que a sociedade não é um ser amorfo e moldável de acordo com as ilustradas mentes que tentam conduzi-la ao seu bel-prazer?

Esquece-se a ministra que a sociedade é constituída por indivíduos e que estes são de carne, osso e alma? Que sangram com as dores infligidas pela indiferença governamental em relação aos problemas que nos infernizam cotidianamente?

Engana-se insensível senhora.

A lei tem como fonte o fato social. É no calor das emoções que os homens se movem para melhorar o mundo, pelo menos este mundo de seres humanos. É nestas horas que nos diferenciamos dos autômatos e das máquinas e lutamos em favor da humanidade, aquele sentimento comum a todos, lembra-se?

12 comentários:

Ricardo Rayol disse...

Essa "jurista" não está nem aí. O STF tem alcance constitucional, se preocupa apenas com as roublaheiras de seus pares e dos nobres congressistas ladrões. O resto não a interessa. Espero que pelo menos o STJ tenha um pouco de simancol.

david disse...

Eu tenho uma pequena idéiazinha em minha oca cabeça: a ministra que tome conta dos problemas do judiciário e feche a boca. Melhor para todos.

ROÇA COISA É OUTRA LIMPA disse...

Tive o azar de ouvir essa cria falando isso no telejornal.Gente emotiva essa, não?Como são humanos, como são sensíveis...

Stella disse...

Sara, o problema é sério, mas a razão de fugirem do assunto é falta de verbas para presídios, modernização do sistema penal e judiciário

Anônimo disse...

GOVERNO DE FACÍNORAS

É normal que os componentes do féretro que está levando o país ao cemitério seja composto por elementos de tão baixo nível e irmanados com os facínoras, é improvável que haja nesse governo algo que não seja podre. Essa excelentíssima senhora juíza está provavelmente saboreando, ainda, a emoção por ela vivida em seu recente assalto no Rio, isso deve ter despertado na senhora amor pelos bandidos, se alguém está sob o impacto da emoção deve ser ela. A população brasileira está sob um clima de insegurança, pavor e descrença, a população está desesperada e impotente, a população está refém e prostrada ante o descaso e indiferença dos governos. Claro está que qualquer tipo de inteligência ou pessoas racionais nesse governo fica soterrado sob a imoralidade, a desonestidade e principalmente a incompetência de exercerem seus cargos politicamente ofertados de maneira sorrateira no sistema “é dando que se recebe”, lógico que foram aceitos e condicionados a dizer “amem” a todas as idiotices emanadas de sua majestade postial o “Tartaruga Sapo”. Por que ser diferente quando o exemplo e modelo são contrario a ética e moral. Como demonstrar competência que não possui, alguns citaram o caso da tartaruga no poste em textos anteriores; agora com o desenvolvimento e crescimento da economia, no partido, colocaram mais postes, mais postes redunda em mais tartarugas lá postadas. Infelizmente inexiste qualquer setor sadio e imune nesses desastrosos e incompetentes governos. Mas, critico e indecente é assistir o deleite com que a nossa dedicada e famigerada imprensa saboreia a desgraça alheia, enquanto a população desnorteada e traumatizada se condói dos momentos de impacto e dor da família do garoto, do sofrimento e angustia por eles vividos, a imprensa explora todos os ângulos para vender e faturar, não tem essa de divulgar e informar, o único objetivo é faturar, faturar e faturar. Contudo, meus amigos, somos colaboradores diretos desse estado caótico de nossas comunidades, elegemos os que dirigem o país, aceitamos e prestigiamos essa imprensa, irresponsáveis somos ao nos quedarmos impassíveis e coniventes, nos dizemos que podemos fazer? E nos respondemos; nada! Onde estão os protestos, onde estão as manchetes cobrando e acuando os governantes para uma decisão imediata e que dê resultados imediatos, não, isso não se faz, isso seria atuar sob emoção, sabidos políticos aguardam naquela de que “o tempo cura qualquer ferida”, sabem que a memória do povo é altamente volátil e dessa maneira os políticos vão praticando aquilo que fazem melhor, “enganar, enrolar, tapiar e dissimular”. Só temos um solução que é rezar, “Que Deus tenha piedade de nós”, estamos provando sermos tão ou mais incompetentes que os governos.

Vera Fróes disse...

Saramar, acho que a redução da idade pode ser discutida e se o Congresso junto com a sociedade achar que é por aí, que aprove, mas que não vai resolver, não vai. Enquanto não diminuir a exclusão social e a impunidade nesse país nada vai mudar, infelizmente!

Bjos.

luma disse...

A reportagem apresentada na tv não foi mostrada na íntegra, de uma forma sensacionalista! Não são mudanças nas leis que irão mudar o infrator e livrar a sociedade de sua responsabilidade. Essa questão é controversa e em casos como este, em que os pais são responsáveis indiretamente pelos atos dos filhos; eles têm plenos poderes de fornecer à justiça a maioridade penal de suas criaturas.
As leis já existem. Falta meios de se cumprí-la corretamente num sistema penitenciário falido.
Beijus

Manoel Carlos disse...

No Brasil, o Judiciário legisla, o Legislativo faz obras, o Executivo, bem, o Executivo, deixa pra lá!
Eu creio que mais importante do que revisão penal é a aplicação rigorosa das leis existentes, pois a cultura da impunidade (pelo exemplo dos governantes) combinada com a crescente onda de desprezo aos valores morais e éticos (o presidente tem um significativo papel nisto) faz de nós uns monstros insensíveis e descomprometidos com as práticas sociais civilizadas.

Suzy Tude disse...

Saramar, os maiores criminosos estão bem próximos, na esplanada dos ministérios (onde fica também Ellen Gracie), no Congresso Nacional e no Planalto. Mas elles têm carro blindado e seguranças pagos com nossos impostos.

Beijos

Glênio Gangorra disse...

Ellen Gracie é o bastião da lei no Brasil de Lula, Viva ela! Mas ninguém notou por exemplo a injustiça feita pelo ícone da direita reacionária. Nós, militantes ativistas, sempre acompanhamos o noticiário da direita reacionária e facista. Leio que, numa matéria elegante e cheia de dedos que o reacionário governador José Serra deve demitir afilhados de Alckmin. Uma matéria que "alivia a barra" do PSDB. Se fosse o nosso amado presidente ou o PT, o tom seria outro bem mais contundente. O reacionário direitista e governador de São Paulo, José Serra, diz que seus critérios são profissionais. A matéria revela o voraz apetite dos tucanos por cargos. Não sabemos se imitam os partidos da base aliada e o próprio PT, o que seria uma pobre imitação, ou pensaram isso de modo próprio, imitando o jeito peculiar de fazer as coisas de nosso glorioso PT. Enfim, uma pérola de nosso novo e objetivo jornalismo, demonstrando a necessidade urgente de se revolucionar, dentro das diretrizes bolivarianas, o direito de livre expressão da imprensa.

o alquimista disse...

Pois e as discussões não ficam por aquí...

Um sorriso às vezes é solto na lágrima vinda do céu do teu mais profundo sentir...

Mágico beijo

DO disse...

Tanto concordo,e assino embaixo,SARAMAR,que ,por coincidencia,ela é a indicada para a TUMBA de amanhã.
Estamos em sintonia,hem,hehehe
Beijos!