PROVANDO DO PRÓPRIO VENENO

Em Goiás, a igreja católica, protetora dos "movimentos sociais", por meio de sua pastoral da terra, está sentindo na pele o que é ter seus bens tomados à força, mas de forma legal, para serem distribuídos àqueles que fizeram da expropriação seu ganha-pão e bolsa-esmola, bolsa-semente, bolsa disso e daquilo, coisa que quem trabalha não tem.

Segundo reportagem do Diário da Manhã, o Incra tomou 1.369 hectares de terras da igreja católica em uma das áreas mais valorizadas do Estado de Goiás, por sua produtividade, no município de Jataí. Os "trabalhadores" rurais sem terra que a ocuparão, já estão escolhidos pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Goiás (Fetaeg) .

A igreja ainda tentou um jeitinho brasileiro, tentando alegar que as terras são "reserva legal", porém, depois da vistoria do Incra. Nada feito. A "justiça" já determinou a posse por este órgão.

Não chorem, companheiros padres e bispos. Afinal, trata-se de garantir o "direito do acesso à terra, ao território, às sementes, trata-se do direito a se alimentar de acordo com a própria cultura", como disse o companheiro Tomáz Balduíno.

Além do mais, fazendo vênia com o chapéu alheio, como de costume, quem vai ficar no prejuízo somos nós, os otários de sempre, porque o Incra vai tirar oito milhões de reais dos nossos impostos para ressarcir a igreja. É isso aí, como diria Ana Carolina.

Bem feito para a igreja. E, como sempre, muito mal feito para nós.

3 comentários:

junior disse...

As igrejas me não ânsia.
Beijos

Fábio Max Marschner Mayer disse...

Isso é para as igrejas aprenderem a distinguir o tipo de pessoas que defendem. Quando aquelas terras forem distribuídas e logo depois vendidas a preço de banana pelos assentados que voltarão para a fila da reforma agrária, o que é a regra entre essa gente, daí a igreja verá efetivamente com quem está lidando!

Lord Broken Pottery disse...

Saramar,
Antes de tudo quero dizer que sou ateu. Lembro apenas que na região, em São Félix de Araguaia existe um bispo, D. Pedro Casaldáliga, que dedicou toda a sua vida a ajudar os índios. Fez voto de pobreza. É homem dos mais dignos. Não pedemos esquecer que existem duas igrejas.
Beijão